Contatos e a Simpatia

Algumas pessoas me perguntam:
Mas como você conseguiu jantar com o oficina G3?
E ai começo a contar a história, um contato gerou outro e as coisas aconteceram e resumindo: assisti o show, jantei com a banda, e pude conversar com os caras.
Tem gente que diz:
Não precisa saber fazer e sim ter o contato de quem sabe.
Um outro amigo me disse uma vez que o importante não era ter dinheiro e sim amigos e contatos.
Na área em que trabalho (Recursos Humanos) é muito comum ter vários contatos, realizar benchmarking, etc. E é bastante comum os profissionais da área se conhecerem, ter colegas de profissão em outra organizações, participam de grupos incomum de discussões e no fundo é tudo muito pequeno. Se não te conhecem, conhecem alguém que te conhece.
Da mesma forma também acontece com outras profissões.
Com o avanço das redes sociais, que se tornam cada vez mais parte das nossas vidas, ativar contatos é algo relativamente simples.
É interessante quando você se lembra de uma situação difícil e embaraçosa e percebe que existe uma pessoa que pode te ajudar, ela tem a solução para o seu problema. E é muito bom se sentir útil também quando o mesmo acontece inversamente onde nós conseguimos resolver ao para o nosso próximo.
Ter bons contatos não significa ser “o político”, mas ao mesmo tempo é difícil ter bons contatos se não houver um mínimo de simpatia, cordialidade, educação e principalmente respeito.
Por que estou falando sobre isso?
Porque a história de José me chama muito a atenção.
Nos dias de hoje ele poderia até dizer que exerceu a função de agente penitenciário , mesmo sendo preso. José cuidava dos outros presos.
Ele ganhou a simpatia do carcereiro. Imagino que os demais presos eram carrancudos, não diziam bom dia, não se respeitavam, falavam inúmeros palavrões, eram mau educados e jamais sorriam.
Mas José não, mesmo preso injustamente permaneceu com sua cabeça erguida, manteve sua boa conduta, foi exemplo e referência de bom comportamento.
A diferença era que
o Senhor estava com ele e o tratou com bondade, concedendo-lhe a simpatia do carcereiro.
Por isso o carcereiro encarregou José de todos os que estavam na prisão, e ele se tornou responsável por tudo o que lá sucedia.
O carcereiro não se preocupava com nada do que estava a cargo de José, porque o Senhor estava com José e lhe concedia bom êxito em tudo o que realizava. (Gn 39. 21-23)
Uma coisa é ter uma planilha gigante cheia de contatos, telefones, e-mail e endereços ou ter a agenda completa de nomes.
A outra é como manter estes contatos durante o dia a dia,é como você trata as pessoas mesmo nas situações mais adversas.
E o principal ainda é estar sempre com o SENHOR, e quando menos se imagina podemos nos surpreender.. Afinal cabe a nós mantermos sempre uma boa conduta e tratar bem a todos e se for preciso ganhar a simpatia de qualquer outra pessoa, assim será feito.

Anúncios