Acessibilidade e o absurdo dos “falsos cadeirantes” na Copa

cadeirante

Ir ao supermercado é a coisa mais comum, certo?

Sim, mas eu posso dizer que em algumas situações passo por algum tipo de constrangimento devido minha dificuldade. Pois quando vou para o caixa e me dirijo ao preferêncial ( por várias vezes)  a operadora me olha com aquela cara:  “Por que você esta aqui?”

– Tenho um problema na perna, respondo.

É realmente chato ter que explicar o fato de utilizar aquela fila. Da mesma forma ocorre nos ônibus:

– Você pode me dar o lugar? Tenho problema na perna.

Muitas vezes a pessoa vê a minha dificuldade , vê eu entrando no ônibus e faz de conta que não é com ela. E ai, ainda mais determinado eu exijo meu direito.

Em outros casos, tanto a operadora de caixa quanto a pessoa no ônibus não percebe a minha deficiência, e eu considero isso como totalmente compreensível.

Acredito que toda pessoa com deficiência passa por situações delicadas em relação ao dia-a-dia. Obviamente que o grau da própria deficiência impacta diretamente neste processo todo. Alguns sofrem mais, outros menos. Mas o ambiente em si é o maior vilão no aspecto de acessibilidade. Se o ambiente é acessível, isso torna a vida muito mais fácil.

Para ilustrar isso, gosto do exemplo : deficiência x ambiente:

calculo acessibilidade

Fica então comprovado que se os ambientes forem acessíveis a deficiência não é lá um bicho de sete cabeças.

Mas quero chamar a sua atenção para um outro fato não menos importante.

É a malandragem, (e olha que não estou falando do Serginho Malandro).

Bem, circulou nas redes sociais algumas fotos de “falsos cadeirantes” nos estádios da copa do mundo.

Gente que se passou por “pessoa com deficiência” para conseguir ingresso mais barato e um melhor lugar para assistir os jogos. Mas ao chegar no lugar destinado para pessoas com deficiência, estes “safados” se levantam da cadeira de rodas de uma maneira muito tranquila para assistir os jogos.

É uma falta de respeito com quem vive diarimente nestas condições. Estas pessoas deveriam ser presas. Isto é estelionato !

Enquanto uns tem que “provar” que tem um determinado problema para estar na fila preferêncial, estes idiotas se aproveitam para tirar vantagem. Aliás, deficiência não tem nada a ver com vantagem.

Ontem por exemplo, um torcedor italiano invadiu o gramado no jogo entre Estados Unidos e Bélgica na arena Fonte Nova.

Mario Ferri é o nome do “Jaguára”.

“O que é triste é que temos trabalhado para ter certeza de que damos acesso ao estádio a pessoas com deficiência, necessidades especiais e cadeirantes. Essa pessoa está agindo contra todos os cadeirantes. Ele deveria ser sancionado, pois é o pior exemplo. Está indo contra tudo aquilo que fazemos para reconhecer que quem queira ir à Copa do Mundo deva ter acesso. Ele é uma vergonha para todas as outras pessoas que estão sentadas ali na cadeira de rodas – considerou Valcke. (Secretário geral da Fifa)”.

Veja a matéria na íntegra:

http://globoesporte.globo.com/ba/copa-do-mundo/noticia/2014/07/invasor-de-campo-da-fonte-nova-e-especialista-com-historico-em-copas.html

Não desejo que nenhuma destas pessoas que se passaram por cadeirantes de fato precisem viver nestas condições no futuro. Mas não estão ilesos e imunes . E ai ? E quantos candeirantes gostariam de assistir os jogos mas não conseguiram comprar ingressos? Ingressos que ficaram na mão destes safados!

Eu fiz a solicitação para comprar ingressos como pessoa com deficiência, mas não consegui os ingressos. Fui informado que caso os ingressos fossem liberados eu deveria apresentar laudo médico atestando a deficiência. (Totalmente justo). E estas pessoas? Que tipo de laudo médico eram esses?

É muito triste pensar que pessoas se aproveitam, e passam por pessoas com deficiência para obter vantagem.

Reclamar da corrupção em relação aos políticos é fácil, mas atitudes como esta são tão desprezíveis ou quem sabe até pior.

 

Anúncios